escreve para o "5 para a meia-noite",o gajo que escreve para "os homens da luta" e o gajo que criou o "Mail de um louco" juntam-se para vos falar sobre o gajo que...

...passou ao lado de uma grande carreira (6)

Foi com tristeza e consternação que li aquele obituário. Morrera o Firmino. O Firmino…Se é possível o Firmino finar-se então eu digo com toda a convicção e certeza: Qualquer um pode morrer um dia. Até eu!!!!

O Firmino era o motorista do 76, o verdadeiro perigo da estrada. Para terem uma noção, no final das viagens com o Firmino ao volante quem ia na frente do autocarro acabava a viagem atrás e quem ia atrás, claro está, acabava muitas vezes a viagem… na estrada porque se mandava da janela em andamento com o pânico.

Mas eu divertia-me muito naquelas viagens, era como jogar ao Twister em que acabávamos todos embrulhados uns com os outros. Foi numa dessas viagens que, sem querer, tirei a virgindade à Rute Cabeças. Ainda me lembro daquela travagem que me mandou para cima dela. Ela mandou um grito que nem vos digo, nem vos conto…e que não me venham dizer que aquele orgasmo foi a fingir, que aqui comigo ninguém finge!!!! Mais…quem finge os orgasmos com a minha mulher sou eu. E sou o que finge melhor diz ela!!!! Os outros não chegam aos meus calcanhares a fingir orgasmos. Quem é o rei? Quem é o rei? Porque se estão a rir? Foi também numa travagem quase tão brusca como aquela que contei que conheci o Osório, ou melhor…acho que foi mais ele que me veio conhecer a mim mas esse é o gajo que nunca vos contarei ao pormenor como conheci.

Lembro-me do autocolante que o Firmino tinha junto ao volante, dizia: “Parar é morrer”…pobre Firmino…agora que falo nisso não me lembro dele ter parado algum dia a sua viatura a não ser quando era para a imobilizar de vez no final do seu turno. Dizia ele que as paragens tinham esse nome “de paragens” porque era onde nós tínhamos de estar parados e atentos para saltar mal o 76 passasse. Era no fundo a primeira prova de fogo para entrar no autocarro do inferno como carinhosamente lhe chamávamos.

A curta viagem do 76 ainda hoje acaba na Cruz Quebrada…tenho para mim que só passou a ser quebrada depois da primeira viagem do Firmino. O Firmino naturalmente nunca progrediu na sua profissão e via com inveja os colegas do 33 a passarem por ele em vários pontos do seu curto trajecto. É que o 33 faz o trajecto de sonho dos motoristas…muito mais kms, muito mais responsabilidades, muito mais dinheiro no final do mês. A carreira que o 33 faz é gigantesca e muitos motoristas como era o caso do Firmino “apanham” pequenos troços paralelos à mesma. É por isso que me irei lembrar para sempre do Firmino como o gajo que passou ao lado de uma grande carreira.

...faz malha (5)

Conheci o Antunes debaixo de terra.
O Metro nesse dia estava estranhamente vazio pelo que foi instantânea a atracção que aquela personagem provocou em mim.Não é todos os dias que vemos um homem na casa dos 30 anos a fazer uma camisola mais colorida que as bancadas do Alvalade XXI. Provavelmente se estivesse a fazer umas meias ou um paletó ele passaria despercebido entre os milhares de trintões que se dedicam a fazer malha no Metro, mas uma camisola com aquelas cores...acho que até o Bruno Paixão se aperceberia que algo de errado se passava ali.
Aproximei-me e sem medo vociferei : "Peço desculpa pela intromissão mas permita-me dizer que o cor-de-rosa fica bem melhor entre o verde-alface e o azul-petróleo".
Ele acenou em sinal de concordância e disse: "Sem dúvida, mas esta camisola não é para fazer conjunto com as camisas do Manuel Luís Goucha, por isso está muito bem assim e põe-te a milhas antes que leves no focinho".
Percebi naquele instante que ele não era Gay.
Nenhum gay falaria assim comigo que até sou magro, alto e lavadinho.
Depois desse episódio, voltei a encontrar o Antunes pelo menos uma vez por semana.Sempre no Metro.Sempre a fazer malha.Sempre a fazer combinações de cores que não lembram ao Diabo (mesmo que este vista Prada ou Desigual). Antunes tornou-se para mim um símbolo da cidade subterrânea ao mesmo nível que as Tartarugas Ninja e num patamar imediatamente superior aos stewarts que trabalham no túnel do Estádio da Luz.
Passei a admirá-lo e tornamo-nos mais do que simples utentes de um mesmo serviço. Encomendei-lhe muitas camisolas.Nunca usei nenhuma mas já diz a minha avó que "panos para a cozinha nunca são demais".
Conversa puxa conversa o Antunes lá me contou que a mulher é motorista de pesados, leva os concorrentes do "The biggest loser" ao estúdio mas nunca tem espaço no camião Tir para lhe dar boleia. É por isso que diariamente passa 3 horas no Metro cumprindo seu itinerário "casa-emprego, emprego - casa".
Finalmente percebi a razão pela qual aquelas camisolas têm tantas cores. Com a quantidade de vezes que o Antunes troca de linha no Metro, como poderia ser de outra forma?
E assim foi, a história do Antunes, o gajo que faz malha.

...é filho solteiro (4)

Quando ontem fui ao circo com os petizes, estava longe de imaginar que numa conversa que se desenrolava duas filas à nossa frente iria conhecer a história do Viktor.

Viktor é equilibrista num Circo bastante conhecido, mas nem sempre foi essa a sua vida.
Ele chama-se Viktor, com um K, porque ele é natural de Coimbra e Coimbra não é Coimbra se não tiver capas.

O Viktor é, como todos os artistas circenses, uma pessoa muito activa. Bem…como todos…menos como aquele colega dele que metia a cabeça na boca do Leão...uma noite snifou algo lá dentro e tornou-se uma pessoa tão passiva, tão passiva, tão passiva que para continuar a trabalhar no circo tornou-se o voluntário a quem são arremessadas as facas.
A vida dele deu uma volta tão grande que deixou de ser o Corajoso Freitas Mário para passar a ser Anormal Freitas Maneta.

Mas a história de hoje não é do Freitas, quem sabe um dia fale dele…ou de uma parte dele.

Viktor é o gajo que é filho solteiro. Os pais, que como não poderia deixar de ser eram também artistas circenses, sempre lhe disseram:
- Viktor, dares o teu jantar às escondidas, por baixo da mesa, ao leão e ao elefante ainda vá que não vá, mas se insistes em dormir com o Javali aos teus pés vais ser para sempre filho solteiro pois não há nenhuma mulher que te pegue.

Dito e feito…passaram anos e anos e o Viktor não fez feliz nenhuma mulher até que tomou uma decisão drástica: Deixar o circo.
Ele sentia-se farto de acordar dentro de uma caravana e não poder dizer: "- Que ricas férias... que vamos fazer hoje família?" mas, mais do que isso, no seu intimo, o que ele queria mesmo era esfregar a certidão de casamento na cara dos pais e gritar-lhes: - Então!!!???? Quem é que vai morrer filho solteiro?

Comprou casa própria e quis o destino que casasse com Kátia, que cuspia fogo na rua.
Kátia com k porque também era de Coimbra. Tamanha coincidência só poderia ser obra do Cupido. Orgulhoso e apaixonado chegou com a sua esposa a casa dos pais para lhes dar a boa nova o que provocou um interminável ataque de riso nos velhotes.
Pois…Acertaram…Kátia era a sua irmã e o casamento teve de ser anulado. Para aumentar o fatalismo desta história, uma noite Kátia indignada, ao passar por onde já fora feliz ,cuspiu para a fachada da casa de Viktor. Dizem os Bombeiros Voluntários de Coimbra que nunca se viu um incêndio com aquelas proporções...

Conformado Viktor voltou ao circo e pelo que vi ontem a paragem não lhe deve ter feito mal nenhum. Que grande artista.
Viktor é a prova viva que mesmo para um equilibrista nem sempre é aconselhável ir à procura de uma vida mais estável.Como se isso não bastasse foi,é e será sempre conhecido pelos seus pais como o gajo que é filho solteiro.


...detesta receber telefonemas de sondagens (3)

A semana passada quando fui levar o Salomão, o meu serra da estrela ao veterinário encontrei lá o Guilherme com os seus Berlindes.
O Gui, é um tipo porreiro mas não contente em ter dois animais de estimação muito engraçados (os Berlindes,dois belos porquinhos da Índia) tem também um ódio de estimação que lhe faz companhia.
Contou-me ele na sala de espera do veterinário que tudo começou no dia em que recebeu uma inesperada chamada telefónica.Foi amor ao primeiro ouvido.Não se lembra do nome que ela disse ser o seu, mas lembra-se perfeitamente que o objectivo do telefonema era responder a umas perguntas para uma sondagem.Respondeu com uma amabilidade que não lhe era usual.O amor tem destas coisas.Não precisava de a ver para saber que era a mulher da sua vida.Deu tudo pela relação e pergunta a pergunta foi respondendo a tudo.Mas tudo mesmo!!!!Foram 10 as respostas que deu, tantas como as pertinentes questões que lhe foram colocadas.
Com lágrimas nos olhos dizia-me o Gui que se sentiu usado e que a cabra (nome que ele lhe atribuiu por não saber como identificar o amor da sua vida) nunca mais lhe ligou.
- Só me quis para aquilo...julguei que quem queria saber tanto sobre mim, só poderia estar interessada...cai como um patinho.
Entretanto tocou o telemóvel dele e não resisti a encostar a minha cabeça ao seu ombro para ouvir a conversa, apesar do ridículo a que me estava a expor.
TEL: Bom dia, estou a ligar para o 917262996?
GQ: Sim.
TEL: O meu nome é Carla Silva, estou a ligar da empresa Sondage, posso-lhe fazer uma perguntinha?
GQ: Já fez duas.
TEL: Desculpe?
GQ: Com esta, três.
TEL: Não percebo, devo estar a ouvir mal. Pode-me dar a sua data de nascimento?
GQ: Não, porque só tenho uma. Se fosse por exemplo o meu cunhado dava, ou pelo menos emprestava, porque ele nasceu em 76 mas só foi registado em 78, de maneira que tem duas datas.
TEL: OK… e o senhor faz o quê?
GQ: Oh, muita coisa. Lavo a louça, aspiro a casa, passo a ferro... Eu sou um homem moderno.
TEL: Não, o que eu digo é: Que função tem no seu emprego?
GQ: Tenho várias, mas a melhor é a função Gravar. Os meus colegas só têm a função Reproduzir e ficam com inveja. Se bem que eu não me importava de ser pago para ‘tar todo o dia a reproduzir, sabe? Ficava era um bocado dorido e…
TEL: Desculpe, o que eu quero saber é a sua posição na empresa?
GQ: Ah! Bom, neste momento é sentado. Mas às vezes também me levanto, quando tenho a bexiga cheia ou…
TEL: Ok, deixe estar. Eu para terminar vou-lhe fazer só umas perguntinhas rápidas e pedia-lhe que me desse uma nota de 1 a 5 consoante…
GQ: 5.
TEL: Mas eu ainda nem lhe disse a pergunta.
GQ: Sim, mas só há notas de 5. De 1 até 4 tinha de ser em moedas. Portanto, para lhe dar uma nota tem de ser 5.
TEL: Ok… Bom, desculpe o incómodo e muito obrigado pela sua colaboração, senhor...
GQ: Quintas. Guilherme Quintas. O gajo que DETESTA receber telefonemas de sondagens.

...parou de crescer ao metro e 48 (2)

E aqui estou eu outra vez. Já tinham saudades minhas, certo?

Ora pois, eu sou um gajo que deixa sempre saudade, onde quer que esteja. Querem exemplos? Fui uma vez, com os meus pais às compras ao Supermercado, tinha 7 anos e perdi-me…meti-me num táxi, voltei para casa e quando eles chegaram, vieram logo abraçar-se a mim, por terem ficado longe durante 2 horas.

E não é caso único…aos fins-de-semana jogo futebol com os amigos e ainda no último jogo, mal o jogo parou pela primeira vez , 10 dos jogadores vieram dar-me um abraço tamanhas eram as saudades que sentiam. Um deles, o Carlitos, agarrado às minhas pernas, até disse: “Grande Golo”.

Carlitos é o gajo que parou de crescer ao 1 metro e 48cms. Todos nós gostamos dele no nosso grupo de amigos pois ele é alguém sempre disponível. É um anão que não consegue dizer que não a não ser quando tem de dizer que é a…não, claro está.

O Carlitos tem um coração tão grande que quase não lhe cabe no corpo mas isso acontece porque ele é mesmo muito pequeno e o coração, como coração normal que é, sobressai-se em relação ao resto da sua fisionomia.

Por ser tão boa meia-pessoa aceitou ser o guarda-redes da equipa, o que dá imenso jeito para ir buscar as bolas que vão por cima da baliza, já que passa por entre a rede e não perde tempo a contornar o poste. Além disso ele não defende mal…não há bola rasteira e à figura que lhe escape, já por isso dizemos aos nossos adversários “baixa a bolinha que o guarda-redes é anão”. E dizemos na brincadeira entre nós que “o Carlitos nunca dá frangos, dá pintainhos”.Não fosse o Carlitos tão boa meia-pessoa e onde já não estariam as nossas partes baixas…

Depois dos jogos de futebol, é a hora do convívio no bar do clube. Nesta altura tudo é permitido menos piadas de mau gosto sobre a altura do Carlitos. Ninguém bebe álcool. O Carlitos contenta-se sempre com o seu "small" de ananás, aliás…desculpem…Sumol, sumol de ananás e o resto da equipa bebe um San…tall de laranja fresquinho.

A respeito das bebidas sempre me inquietou uma coisa… Vocês pessoas baixinhas, estão em casa de uma daquelas pessoas com 1,70m...Normais, pronto e apetece-vos um copo de água. O dono da casa, como bom amigo e querendo deixar-vos à vontade diz: “Podes te ir servir... estás há vontade.” e vocês vão todos contentes. Chegam a cozinha e reparam que os copos estão no armário por cima do lava-loiças, mas como têm vergonha de dizer que não chegam ao móvel, fazem de tudo para tentar chegar a um copo. É frustrante. Ninguém põe os copos nos móveis mais baixos a pensar em pessoas como o Carlitos!??Onde vão eles buscar os copos??? Exacto…rezam para que esteja algum na maquina de lavar loiça…Eu próprio, ofereci ao Carlos no último aniversário, umas calças que têm um arnês e uma corda, para ele sempre que quiser um copo, ser-lhe mais fácil escalar os móveis de minha casa, mas ele tem vergonha de usar.

Se calhar se esquecesse a vergonha não voltava a ser apanhado na lavandaria a beber a água do Salomão, o meu São Bernardo. É que não é vergonha nenhuma ser o Carlitos, o gajo que parou de crescer ao metro e 48.


...se apresenta (1)

Sempre que me falam em apresentações lembro-me daqueles parvalhões que se apresentavam na escola primária.Na minha tínhamos o Vítor:
-Olá sou o Vítor.Posso jogar à bola contigo?
-Boa tarde, sou o Vítor.Queres brincar à apanhada?
-Chamo-me Vítor. Vamos curtir para a sala de trabalhos manuais?
Tudo era pretexto para o Vítor se apresentar.

O Vítor gostava tanto de se apresentar que quando transitamos para o secundário havia a cada disciplina duas aulas de apresentação: A aula de apresentação geral e a aula de apresentação do Vítor. Ele comparecia nas duas, já que dizia ser importante na aula de apresentação geral fazer um breve resumo sobre o que iria falar na aula seguinte. O pior é que esse resumo ocupava a aula quase toda.
Graças a estas duas aulas a professora durante um mês só sabia quem era o Vítor,o que dava algum jeito principalmente na hora de mandar alguém debitar os trabalhos para casa e no momento de chamar alguém ao quadro.

E as apresentações do Vítor? Eram em Powerpoint, mas com um trabalho tão bem elaborado, que aquilo parecia um filme de ficção científica…e não era dos Portugueses.

Eu até tinha uma piada que lhe dizia, sempre que ele chegava á escola: “Ehhh Vítor... tás todo bem apresentado!” e ele ajeitava sempre o seu pólo, não percebendo que estava a gozar com as apresentações dele... Eu retirava os meus óculos fundo de garrafa, acenava negativamente com a cabeça e pensava: “Que nerd este Vítor...!”.

Passaram anos e anos sem saber nada do Vítor…até que a semana passada recebo um convite dele para ser seu amigo no Facebook:
"Olá sou o Vítor, lembraste de mim?".
Reparei que tinha apenas 12 amigos.Provavelmente os milhares de pessoas a quem ele enviou o convite não resistiram a fazer o que eu fiz. Qual momento com que sonhara toda a vida...
-Vítor? Desculpa mas não sei quem és.Adeus.
Mas claro que sabia. Nunca me esqueceria do Vítor, o gajo que se apresenta.